Olá bonitos(as) 8D

Finalmente vou começar a série sobre como desenvolver um estilo próprio de desenho.

Todo artista que se preze, possui um estilo particular que o diferencia de outros profissionais. É aquela coisa de você fazer uma fanart da Disney, mas não ser um desenho da Disney. Ter um portfólio bonito, diversificado e harmônico e diferente dos demais. Mas como faz?

 

ariel por outros artistas 2

GPS desconfigurado

– reveja o uso das referências

Sou uma uma colecionadora compulsiva de imagens assumida, que tem referência para quase tudo e usa praticamente nada, que guarda milhões de referências na intenção de usar algum dia; que normalmente nunca chega, porque quando preciso de ideias ou referências, procuro no Google e no Pinterest e pego mais um monte de imagem, e vídeo e tudo. :v

Um belo dia tomei coragis, decidi fazer um limpa nos arquivos e percebi duas coisas: A primeira é que cada desenho meu ficava de um jeito porque eu usava referências diferentes o tempo todo e a segunda, é que eu tinha muita dificuldade para ilustrar sem usar nenhuma referência.

De modo curto e grosso, eu fiquei dependente das referências e por usá-las de modo errado, não tinha melhoras significativas no meu traço.

Decidi fazer um teste, pegar sempre os mesmos artistas como referência e usar uma pequena rotina para todos os desenhos. E funcionou!

Refletindo um pouco mais, conclui que o estilo próprio é a junção da nossa biblioteca mental, mapa de influênciaspadrões e exercícios práticos. Vou explicar os dois primeiros nesse post.

Alimentando ideias

– crie uma biblioteca mental

Em uma das palestras do ICONIC, o Henrique Lira falou sobre biblioteca mental, que podemos resumir para suas opiniões, memórias, influências, experiências e conhecimentos que ficaram acumuladinhos no seu grande cabeção.

Seu cérebro processa isso tudo e fabrica ideias, logo para ter ideias boas você precisa amadurecer como pessoa, ser mais analista e observador. Como se faz isso? Lendo mais, fazendo atividade física, saindo de casa, socializando, vendo filmes produzidos em outros países, conhecendo outras culturas, experimentando novos alimentos, observando o mundo ao seu redor, pensando fora da caixa.

Se fizer isso, seu cérebro não vai ficar sem ideias ou vai reduzir muito as vezes que ficou sem saber o que fazer.

Organizando suas estantes

– crie um mapa de influências

Quando tiver bastante conteúdo na sua biblioteca mental, você será mais crítico, mais humano, mais experiente e saberá o que quer e o que não quer ilustrar. E aí sim, poderá fazer uma junção de referências boas que lhe serão úteis por um bom tempo. Veja algumas perguntas que me fiz para separar as referências.

  1. Qual literatura você gosta mais? Juvenil
  2. Qual gênero de história é o seu preferido? Aventura (fantasia)
  3. Qual é o estilo artístico que mais te atrai? Mangá
  4. Qual a técnica de pintura que você domina melhor e procura aprimorar frequentemente? Digital colorido com muitos detalhes
  5. Qual moda/estilo de roupas você gosta, mesmo que não use atualmente? Vintage, lolita, casual romântico e uniformes
  6. Hoje, quais são as suas obras preferidas? One piece (mangá), Como treinar o seu dragão (livros), Inside Out (animação)
  7. De modo geral, você prefere paletas psicodélicas, vintage, pastéis, gótica, preta e branca, cinza…? Colorido brilhante ou iluminação natural
  8. Quem são seus artistas preferidos? naiiade, bara chandanzzilaempewkawacyyuumeiaquasixioartgermmeo mai kiyo qjo (trinity blood y_y).  
  9. O que você mais gosta na arte deles? Anatomia e cores
  10. O que você gostaria de desenhar que esses artistas já não tenham feito? Batalhas mais intensas, interações entre grupos de personagens, relacionamentos pais e filhos, mais diversidade étnica e cultural, inclusão social, comida (alguns fizeram essas coisas, outros não)

Talvez hajam mais perguntas e até perguntas melhores, mas só com essas, já dá pra se orientar um pouco.

Colocando todas juntas em um arquivo só, temos um influence map.

influence_map_meme

A descrição dele diz o seguinte:

Como artista, você é influenciado por coisas. A razão de você fazer o que faz é aplicação de uma combinação das coisas que te influenciam. Se você tiver um bloqueio e não puder criar uma nova arte, significa que você esqueceu o que te inspira e precisa de um “tapa” na memória. Preencha esses quadrados com tudo o que te influencia e te enche de inspiração para criar artes as que ama. Tenha como um tipo de mapa, para o caso de se perder no futuro.

Você pode literalmente colocar qualquer coisa nestes espaços — fotos de lugares ou pessoas, trabalho de outros artistas, artistas, jogos, séries, música, livros e filmes. Use quadros maiores, para os mais influentes.

Para fazer download do modelo, clique aqui

Por escrito, meu estilo deve ser algo dentro de:

character design em estilo mangá de histórias de aventura para o público juvenil, com ilustrações digitais coloridas e detalhadas, abordando principalmente os temas de diversidade étnica e cultural e inclusão social, sem abandonar a fantasia com batalhas épicas, diversão e gente bem vestida.

É exatamente isso que eu quero desenhar neste momento da minha vida, portanto é nisso que irei focar e me aperfeiçoar.

Conclusão

Precisamos de um foco para desenvolver nosso próprio estilo, e não consigo imaginar outra forma de começar, sem ser reunindo tudo o que mais gostamos, de forma consciente.

Se você ainda está perdido, expanda sua biblioteca mental por um tempo, cresça, depois veja com olhar crítico, do que realmente você gosta.

Monte um influence map, são os pontos que você deve se aperfeiçoar nos próximos meses, sem pressa e sem ficar mudando todo dia, não mexa por pelo menos um mês, a menos que seja estritamente necessário.

É liberadíssimo fazer outras ilustrações que não estejam nas suas referências, mas se você está começando e quer criar um estilo próprio, tenha foco.

Na parte 2 da série, vou destrinchar minhas referências de modo mais prático e veremos como elas impactam na composição do traço em si. Em suma, exercícios 8D!

Deixe o link do seu mapa nos comentários para vermos, quero conhecer seu estilo :)

Beijos de luz!

Como desenvolver um estilo próprio {1}
  • Será que da pra adaptar essa ideia de mapa de influência pra outras coisas, sem ser ilustração? Vou pensar nisso, talvez eu faça algo pro meu joguinho. (Pensei também em influências literárias, pro jeito que gosto de escrever)

    • giant_lady

      Acho que dá sim, você pode selecionar os livros que você mais gosta, personagens que você admira, trechos das obras que descrevem uma cena legal, só vai dar mais trabalho do que com imagens, acredito eu.

  • Pingback: Como desenvolver um estilo próprio {2} | GIANT LADY()

  • Pingback: Como desenvolver um estilo próprio {3} – GIANT LADY()

  • Dersa Marques

    Gostei da ideia do Influence Map.
    posso fazer uma versão física bem grande pra colocar atrás da porta do quarto???
    hehehehehe

    • Pode. :3
      Eu mesma já pensei em fazer isso!